Cinnamon Rolls

Últimos quinze dias de inverno e eu arrisco dizer que passamos fácil o frio da serra. Muita lenha no fogo, meias de lã, e de xícara quente nas mãos. Com o início de setembro, o sol volta a lamber quente o rosto - deu para tomar banho gelado no rio e deitar sobre as pedras mornas. Os brotos das dálias brancas já estão saindo da terra. Minha roseira deu o primeiro botão. Uma nova ninhada de pintinhos nasceu essa semana. 

cinnamonroll

O mês de agosto é daqueles meses que a minha fina superstição pede para ficar quieta, sem muito alarde, nem grandes decisões. E foi assim que eu passei: cozinhando dentro do meu 7x7; teve biscoito de massa folhada, cinnamon rolls ou pãezinhos enrolados de canela, lasanha "à bolonhesa" caseira, risoto com o parmesão aqui da região, e cozido com carne de segunda na pressão. Ou então, trabalhando dentro de casa, em frente ao computador, ao lado da lareira. Já são quase nove meses de gestação da vida aqui no alto das montanhas, e a gente se molda todos os dias um pouquinho do cotidiano na roça, feito barro nas mãos de uma ceramista.

Tem gente que gosta do urbano, das linhas feitas de concreto, de viver a cultura que brota nas cidades grandes. Tem gente que gosta do mar, da água salgada ardida sobre a pele, areia nos chinelos e nos cabelos, dos coqueiros, e da brisa quente litorânea. Há gente como eu, que gosta do cerrado, de olhar para as montanhas, do isolamento de viver no mato. Tem gente ainda, que adora viver tudo isso, de momento em momento, com o pé na estrada, coração nômade, passaporte na mão e mochila nas costas. Há tantos diferentes quereres e não sei se eles definem uma pessoa, mas eu acredito que, se não definem, elas dizem onde nosso coração bate mais feliz. E acho que só isso já é uma boa definição sobre uma pessoa.

Meus quereres, por exemplo, de tão simples, chega a dar um pouco de vergonha, da falta de ambição que uma pessoa pode ter. Uma caixa de papelão cheia de pintinhos. Esperar o pão descansar e crescer, para então poder assar. Moer o grão do café antes de passar. Regar os bulbos das dálias, na esperança que amanhã apareça uma folha sobre a terra úmida. Ou passar nos correios, abrir a caixa postal, imaginando que a encomenda com a fôrma nova importada esteja ali depositada. Desses quereres, dá para saber, por exemplo, que meu apreço é por ficar na rotina da minha casa, esperando pelas coisas boas da vida acontecerem.


Eu nunca tinha feito cinnamon rolls antes. Procurei por várias receitas até escolher qual queria experimentar. Acabei misturando receitas diferentes, sem aquela calda escorrida, mas um pãozinho fofinho, com bastante recheio de canela e noz moscada. Enquanto assava, o cheiro doce ia tomando a casa toda, e a gente esperou salivando até sair do forno. Sentamos na mesa e acompanhamos com uma xícara de earl grey


E para não dizer que fiz pouca coisa, vi The Staircase em 2 dias e terminei com um nó na garganta, tendo certeza de que Michael P. é inocente. Vi e recomendo o filme dinamarquês A Comunidade, simples, sincero e divertidíssimo. E comecei a 4a temporada de Better Call Saul, um dos meus seriados prediletos.

Estou acompanhando, os debates, as rodas vivas e as entrevistas aos candidatos, afinal, esse não será um ano fácil, eleitores. O Brasil não é para amadores. Recomendo muito, as entrevistas de Glenn Greenwald, no The Intercept Brasil.


cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll
cinnamonroll

Cinnamon Rolls | Pãezinhos Enrolados de Canela

para a massa

  • 75 g manteiga amolecida
  • 70 g de açúcar granulado
  • 250 ml de leite
  • 10 g fermento biológico seco
  • 430g de farinha de trigo
  • 1/4 colher de chá de noz-moscada ralada
  • 1/2 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1/4 colher de chá de sal
  • 01 ovo para pincelar

para o recheio

  • 03 colheres de sopa de manteiga, à temperatura ambiente
  • 1/4 xícara de açúcar mascavo + 02 colheres de sopa
  • 1/4 colher de chá de noz-moscada ralada
  • 1/2 colher de sopa de canela

Modo de Preparo

Esquente o leite até amornar (uns 37 C graus) e adicione o fermento biológico seco. Deixe por alguns minutos. Adicione o açúcar, manteiga e farinha e misture com as mãos até que a mistura torne se homogênea, desgrudando das mãos. Se preferir, utilize a batedeira, com o batedor gancho, e sove a massa até que ela esteja bem lisinha e macia. Junte o sal, a noz moscada e o extrato de baunilha. Amasse mais um pouco, faça uma bola e cubra com um pano limpo. Deixe a massa descansando por 1 hora. Se estiver muito frio, você pode colocar dentro do forno (aquecê-lo antes por alguns minutos) e deixar a massa dentro dele desligado.

Misture todos os ingredientes do recheio numa tigela.

Abra a massa numa superfície lisa com farinha. Faça um retângulo e deixe a massa com aproximadamente 0,5cm de altura. Espalhe o recheio sobre a massa com uma colher ou um pincel. Enrole delicadamente, como um rocambole. Corte rodelas de aproximadamente 7cm, com uma faca bem afiada. Disponha lado a lado os rolinhos sobre uma assadeira redonda, com papel manteiga. Cubra com um pano e deixe descansar e crescer por uns 40 minutos. Pincele um ovo batido e polvilhe açúcar. Leve para assar por uns 25-30 minutos, ou até que estejam assados e dourados.