Bolo de Chocolate Branco com Calda de Maracujá

Passada a histeria coletiva em que se encontrava nossa nação, na qual eu me incluía, - desde horas a fio militando nas redes sociais à bate-boca em almoço de família - há de se deixar a poeira baixar e recuperar a vida perdida durante esses últimos meses. O que não quer dizer que a luta terminou, mas eu, pelo menos, peço trégua, e pretendo iniciar um novo ciclo em minha vida: com mais coerência entre atitudes e discursos no meu cotidiano.

Chorei e me decepcionei demais no dia seguinte, pós-Segundo Turno. Separei muito joio do trigo, o que não quer dizer que excluí amizades que apoiaram o candidato da oposição, mas a depender do tom do discurso e as justificativas para tal voto, eu optei por manter uma distância segura, por tempo indeterminado. E acredito que muita gente se afastou de mim, pelos mesmos motivos. Tem decepções que riscam demais o verniz dos nossos princípios, e colocam a gente em mundos separados e distantes. Infelizmente, não tenho solução para essas questões: eu poderia tecer um discurso de paz e distribuir tolerância e amor ao próximo, mas nas atuais circunstâncias, seria hipócrita e bastante desonesta comigo mesma.

Queria eu ter evoluído a ponto de não me abalar, saber o que é o certo, e fazer o que é o melhor para todos, mas estou longe disso. Ultimamente, tenho precisado, muito mais do que tenho tido disposição para dar. E nesse momento, confesso, tudo que eu precisava era de um abraço quente e algumas palavras gentis. Cumplicidade no olhar, dissolvida no silêncio caloroso de quem espera pacientemente a dúvida do outro. Sentir-me acolhida e aceita, independente de erros ou acertos. Aceitação incondicional, sem pré-julgamento ou qualquer tipo de viés político.



Ouça um bom conselho
Que eu lhe dou de graça
Inútil dormir que a dor não passa
Espere sentado
Ou você se cansa
Está provado, quem espera nunca alcança

Venha, meu amigo
Deixe esse regaço
Brinque com meu fogo
Venha se queimar
Faça como eu digo
Faça como eu faço
Aja duas vezes antes de pensar

Corro atrás do tempo
Vim de não sei onde
Devagar é que não se vai longe
Eu semeio o vento
Na minha cidade
Vou pra rua e bebo a tempestade

- Bom Conselho, Chico Buarque -


Essa receita foi publicada na minha estréia como co-criadora no Dedo de Moça, portal de receitas e dicas culinárias. Tem a doçura do chocolate branco e a acidez do maracujá. Um bolo à base de manteiga - a massa fica pesada e o melhor é comer no dia seguinte, que fica mais sequinha. Com a calda de maracujá, a combinação é perfeita. Você também pode substituir as gotas de chocolate branco pelo de chocolate comum.


bolo-chocolate-branco
IMG_0742.jpg
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco
IMG_0793.jpg
bolo-chocolate-branco
bolo-chocolate-branco

Bolo de Chocolate Branco com Calda de Maracujá

para o bolo

  • 220 gramas de manteiga com sal amolecida

  • 01 xícara de açúcar cristal

  • 04 ovos

  • 02 xícaras de farinha

  • 01 xícara de iogurte

  • 01 colher e meia de chá de fermento químico

  • 01 colher de sopa de extrato de baunilha

  • 120g de gotas de chocolate branco

para a calda

  • 180g de poupa de maracujá (aproximadamente 1 maracujá e meio)

  • 125g de açúcar cristal

Modo de Preparo

Numa batedeira, bata bem a manteiga com o açúcar até formar um creme (por pelo menos uns 5 minutos). Junte os ovos, um a um, batendo bem após adicioná-los (20 segundos). Desligue a batedeira e adicione o iogurte e o extrato de baunilha. Junte a farinha peneirada com o fermento e apenas misture para incorporar e ficar uma massa homogênea. Misture metade do chocolate brando

Untar com manteiga e farinha, uma fôrma redonda com furo no meio. Se a assadeira for muito trabalhada como a minha, espalhe a manteiga derretida com um pincel e depois passe a farinha.

Coloque a massa na fôrma. Adicione o restante do chocolate por cima da massa. Leve para assar em forno pré-aquecido a 180C graus e deixe por pelo menos 1 hora e 10 minutos, ou até que fique bem dourado. Apague o fogo e deixe o bolo dentro do forno até que esfrie para deixar a massa mais sequinha. Se você fizer de noite, após apagar o forno, deixe dentro de um dia para outro.

Numa panelinha, junte o açúcar e a polpa de maracujá e leve ao fogo baixo, misturando sempre, até virar uma calda. Despeje morna ou fria sobre o bolo.